Antinori e Wine Brands 12/05/2010

 

Aprendi e aprendo muito com minha amiga Roberta Mitsuda, ultra ninja dos vinhos que (priscas eras) tinha uma paciência gigante comigo perguntando coisas pra ela sobre vinho, o prazer que virou uma ótima mania. Roberta hoje é a gerente comercial da Wine Brands uma importadora e distribuidora nova que traz alguns clássicos que andavam sumidos das prateleiras.

Antinori, o todo poderoso produtor de vinhos na Itália e também nos EUA, Chile, tem seus melhores vinhos importados pela Wine Brands. Antinori comprou recentemente a vinícula da família Prunotto no Piemonte, norte da Itália, Barbarescos e Barolos de preços mais possíveis e deliciosos.

Degustei 5 vinhos da Wine Brands todos velhos conhecidos meus que sempre adoro reencontrar.

 

Cervaro Della Sala (R$ 219,00)

 

 

Quando visitei a Itália pela primeira vez em 1996 me lembro que esse vinho foi indicado pelo sommelier do restaurante romano Checcino. Um vinho branco toscano (uvas chardonnay 85 % e greguetto 15%) de cortar com faca e que cor linda, amarelo ouro como diz um amigo “parece que o vinho é colorido e nós estamos em preto e branco” emoção grande.

No nariz tem algo de moderno no melhor sentido, os modernos mais elegantes como o famoso vinho branco norte-americano Kistler que nenhuma importadora traz para o Brasil. Nariz explosivo, muita fruta e na boca longo, retrogosto eterno.

Eu tenho grande curiosidade de beber hoje uma garrafa mais envelhecida desse vinho que sempre mostra potencial a la Borgonha branco para guardar

 

Badia A Passignano Chianti Clássico Riserva 2004 (R$ 165,00)

 

 

O famoso vinho das mesas italianas o Chianti, que quando produzido com cuidado pode impressionar e muito. 100% da uva sangiovese podem transformar uma pizza pedida por telefone numa iguaria dos deuses. Ou as massas de cantina, maravilhas como sapaguetti putanesca, esse pessoal dialoga muito bem com Chianti. Nariz com fruta seca, ameixas, passas, boca com adstringência para pratos importantes em sabor como o putanesca.

 

Guado Al Tasso 2005 (R$ 368,00)

 

 

Conheci esse vinho numa ocasião muito interessante no festival de vinhos de Pedra Azul em Vitória organizado pelo amigo Roberto Serpa. O especialista Danio Braga conduzia uma degustação de vinhos da região de Pomerol em Bordeaux, França. Entre eles o mítico Chateau Petrus.

Danio pegou um vinho fora de Pomerol e serviu as cegas… Eu sou francófilo assumido de carteirinha e confesso que um dos meus vinhos favoritos e de muitas pessoas naquela noite foi o toscano Guado Al Tasso e seu corte de 65% da uva cabernet sauvignon 30% merlot e 5% syrah. Ele concorre com outro grande vinho do Antinori, o Tignanello mas tenho maior afinidade com Guado Al Tasso por ser mais delicado, macio.

No nariz vem couro, café, aromas bordaleses mas a boca leva para elegância, clássicos da culinária italiana agradecem o namoro com Guado Al Tasso.

 

Barolo 2004 (R$ 198,00) e Barbaresco Bric Turot 2004 (R$ 236,00) Prunotto

 

 

 

 

Me lembro de ter bebido vinhos do Prunotto numa fase que não estava muito ligado nos vinhos da Itália. Andei provando muitos Barolos e Barbarescos tops e me impressionei muito com esses dois vinhos do Prunotto principalmente o Barolo pelo preço, que está mais em conta que a maioria.

Um Barolo com todos elementos esperados, a cor atijolada, os aromas de rosas, alcatrão, super elegante na boca, grande vinho.

Barbarescos geralmente são mais macios, se mostram mais cedo, esse foi meu vinho favorito da degustação. O aroma de flores secas com um fruto maduro a la Borgonha que me faz chorar, boca quente e cheia de assunto. Pratos de ave, polenta, esse vinho e ouvindo uma trilha de Bruno Nicolai é fácil pensar que a vida é bela!

 

ONDE COMPRAR :

 

WINE BRANDS : (11) 3016-3465 www.winebrands.com.br

 

 

NOTA DE BLOGUSTAÇÃO

 

Visitei semana passada em SP um novo templo gastronômico no Brasil o Le Marais. Serviço, apresentação, repertório tudo certo, fazia tempo que não comia tão bem. Chef Wagner Resende é ninja! O pato na panela com pure de batatas é o Steely Dan da coisa, perfeição pura.

 

 

Le Marais Bistrot (Rua Jerônimo Da Veiga, 30 Itaim Bibi (11) 3071-2873 e 3071-4635)

 

 

 

Outro restaurante francês ótimo que eu ainda não conhecia é L’Amitié o do meu amigo Yann Corderon. Destaque para a frigideira de cogumelos com ovo pochê e um belo Coq Au Vin.

 

 

L’Amitié (Rua Manoel Guedes 233 Itaim Bibi, SP (11) 30785919)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Escrito por Ed Motta às 10:46:09
. 19/10/2011
. 09/06/2010
. 12/05/2010
. 19/04/2010
. 06/04/2010
. 24/03/2010
. 12/03/2010
. 02/03/2010
. 19/02/2010
. 06/02/2010