MEU ÚLTIMO GOLE; ADEUS
São Paulo, Sexta-feira, 18 de Junho de 1999

A ânsia de abrir um vinho tem três estágios: um misto de dúvida e encantamento com o que vamos beber; o "beijo na boca", surpresa e paixão; e, por fim, uma certa melancolia, quando damos "O Último Gole" (poderia ser título de um filme noir com Edward G.Robinson) e olhamos para o rótulo -e daí se filosofa que o prazer e a saudade se misturam muito rápido numa garrafa de vinho.
Pegando esse mote, despeço-me desta coluna que me deu "Tanto Prazer". O meu tempo vago hoje está raro como tomar um Bordeaux maduro a preço honesto.
C'est la vie. O que tentei desde o início foi trazer algo que fugisse do deslumbramento exibicionista e politicamente incorreto (sic).
Outro detalhe que espero que minha coluna tenha transmitido é o "pé no chão", uma visão vinda da classe média para baixo e que não pode dizer pérolas como: "Esse vinho branco é simples, porém é o ideal para se tomar à beira de uma piscina...". A imagem é que, tratando-se de vinho, todos têm uma piscina em casa, o que inibe a pessoa que pode se iniciar e se deliciar com um Frascati em frente à TV no fim-de-semana.
Outra pérola que li recentemente foi que o guia de bolso do Hugh Johnson era elegante para paletós e bolsas femininas. Ora essa, ele cabe numa calça jeans também, e o fato é que o público que não vem da burguesia é cada vez mais crescente no universo do vinho.
O "universo TFP" que revistas como a "Wine Spectator" cultuam tem sido vinculado ao vinho, mas hoje felizmente nos deparamos com um sommelier que veio do interior do Ceará analisando um grande Barolo com destreza, ou um suburbano como eu falando sobre vinho.
Outro elemento que sempre evitei foi a tal das notas. Junto com o boom do vinho muita gente se vê cega com as tais notas do crítico de vinhos norte-americano Robert Parker. É cafona demais esse papo de tal vinho "Roberto" deu 90 ou 96 ou 98,5.
Voltando a minha despedida, eu não pretendo deixar de escrever, apenas não posso ter o compromisso de uma coluna fixa no momento, e devo confessar que já sinto o "banzo" do adeus. O "Último Gole" já estreou e eu já sei que vou chorar a rodo.
Saúde!