BEBIDA
O crème de la crème dosvinhos brancos da Alsácia

Vinhedo na Alsácia: ajuda da natureza
A porta de entrada para quebrar o meu preconceito inicial contra os vinhos brancos, foram os vinhos da Alsácia, no norte da França. É um erro pensar que somente os tintos são os vinhos mais nobres. No Brasil, temos uma boa gama do que se produz de melhor nesta região, rótulos dos produtores Marcel Deiss, Trimbach, Hugel, Schlumberger e Albert Mann. Mas meu favorito é o Zind-Humbrecht. Nunca bebi um vinho médio ou ruim desse produtor, que tem a ajuda da natureza para essa continuidade brilhante. Olivier e Léonard Humbrecht, os proprietários, são, ao lado de Marcel Deiss, uma das vozes mais eloqüentes do biodinamismo na Alsácia. Não trabalham com tratores e sim com cavalos, agricultura biodinâmica, pouco sulfito.

Não é por questão de saúde - até porque não sou nem de longe um exemplo disso -, mas meus vinhos favoritos ultimamente tendem para essa corrente. Cada vinho do Zind-Humbrecht expressa com integridade as nuances do rico terroir alsaciano. Dos vinhos mais simples aos tops Grand Cru, esse produtor, para mim, é o crème de la crème da Alsácia pela consistência de todos os rótulos produzidos. A Alsácia é a grande região das uvas brancas riesling, gewürztraminer, pinot gris, sylvaner, pinot blanc e também da uva pinot noir, com tintos de menor complexidade comparados aos da Borgonha, seu solo ideal. Mas alguns são bem interessantes.

Riesling e pinot gris: grande região de uvas brancas
Na gastronomia, os brancos secos são de grande versatilidade, são parceiros de pratos que vão desde uma carne de porco, passando por queijos fortes, frutos do mar, até a comida oriental. Já os vendanges tardives (VT) e os sélection de grains nobles (SGN), que disputam o posto de melhores vinhos de sobremesa ao lado dos Sauternes e os moeulleux do Vale do Loire, acompanham sobremesas não muito doces e frutas como pêssego e manga.

Fiz uma degustação dos Zind-Humbrecht disponíveis no mercado, importados pela Expand. Quem mora em São Paulo tem a sorte de poder combinar esses grandes vinhos brancos da Alsácia com um dos melhores sushis de Sampa, preparados no Empório Santa Maria, onde funciona uma das lojas da Expand.

"Zind" 2003
O rótulo mais simples produzido por Zind-Humbrecht. Uma surpresa e tanto! Muito rico de aromas: laranja, melão, fruta tropical e boca longa. Às cegas, eu juraria que era um riesling, mas é um blend inusitado das uvas chardonnay, auxerrois e pinot blanc. Todo restaurante oriental deveria ter esse vinho na carta, não só pela harmonização perfeita, mas também o bom preço.

Pinot Gris Herrenweg De Turckheim 2004
Complexo e redondo, esse pinot gris é perfeito assim como o riesling e gewürztraminrer do mesmo vinhedo que acabaram rápido na importadora. Nariz com muito mineral, esperado nos grandes brancos da Alsácia. Um posto de gasolina de abacaxis, manga madura, sinfônico. Boca longa, perfeito para pratos de ave ou de porco. Decantei esse vinho, e melhorou ainda mais. Decantar brancos tem sido uma mania constante.

Pinot Gris Clos Jebsal 2003
Com certeza, o vinho da uva pinot gris mais complexo e cheio que conheço. O melhor da degustação. Uma explosão de fruta, o mineral aqui vira ouro líquido. Beija na boca queijos fortes como munster que nunca mais vi por aqui. Mas também é ótimo para gorgonzola, roquefort e queijos azuis. Vinho para momentos especiais.