BEBIDA
Chás verdes japoneses: jovens
e frescos como um sushi


Sincha, uma raridade: comercializado apenas por três meses no Japão, de maio até junho
Na família dos chás, cada vez mais prefiro os verdes, principalmente os japoneses, com muita clorofila, mais frescos com pouca fermentação.

O chá verde se assemelha ao vinho branco na harmonização com comida, na sutileza dos aromas e na sensação de frescor. Um chá verde de qualidade me dá a sensação de prazer parecida com vinhos brancos delicados, como Condrieu, Hermitage branco, riesling, até mesmo a untuosidade de um grande borgonha branco. A China, pátria-mãe da cultura do chá, também produz ótimos chás verdes, mas a grande riqueza está nos oolong (média fermentação), pretos e envelhecidos (fermentados, tostados). Já os verdes são a grande especialidade do Japão. Os verdes japoneses de forma geral devem ser bebidos jovens, frescos como um sushi.

Há uma rica classificação por região e maneiras de se colher e tratar a camelia sinesis, a planta do chá. Em um patamar mais elevado estão o Gyokuro, o Kabuse e o Matcha. O Gyokuro, é o top dos verdes, um grand cru comparando com vinhos. Já o Kabuse, delicioso, pode ser considerado a um 1er cru - dependendo do produtor pode superar alguns Gyokuro. Importante na cerimônia japonesa, o Matcha é uma experiência emocionante no mundo do chá.

Colheita de sincha: nos primeiros meses do ano
Num segundo grupo da classificação, seguindo a mesma idéia dos vinhos onde o produtor faz a diferença, os do tipo Sencha, que podem também apresentar complexidade no nível do Gyokuro, e os raros Sincha, colhidos nos primeiros meses do ano, são provas que o chá verde é muito mais importante do que as garrafinhas geladas comercializadas mundo afora.

Sincha é conhecido como "chá novo" que na verdade é um Sencha colhido bem jovem e empacotado imediatamente. Uma raridade, quase uma trufa branca dos chás verdes. É comercializado apenas por três meses no Japão, de maio até junho, e o alto grau de vitaminas e flavonóides faz um Sincha especial custar mais caro do que um Gyokuro. O dois melhores Sincha que já provei são da importadora americana de chás japoneses, a Japanese Green Tea Online. Quem tem amigos morando no Tio Sam, como eu felizmente tenho (e encho o saco deles), vale a pena perturbar pedindo pelo menos um pequeno pacote de chá...

Da provincia de Uji vem o Shun Na Kaori Shincha, um chá rico de aromas e sabores e o top dos Sincha, o Kinami. A infusão sai tão amalgamada com a erva que o líquido é denso, turvo, valendo a pena passar num coador fino apropriado para chás.

Mesmo adorando o Sincha, gosto mesmo é de Gyokuro e Matcha, meus chás verdes favoritos. Gyokuro tem uma sensação gordurosa contrastando com o verde sutil, que é sensacional. O Matcha - fora a linda cerimônia do chá - , quando bem preparado, é das grandes delícias líquidas que existe.

Ainda nesse grupo, o Kabuse, que tem processo parecido com Gyokuro, está também na linha dos grandes verdes e é importado para o Brasil pela Tee Gschwendner.