COMPORTAMENTO
Cigarro e gastronomia não se bicam

Os aromas da mesa não se misturam ao do cigarro
Um problema grave no mundo gastronômico, sempre minimizado e relativizado em nome da "boa convivência", são os fumantes. O cigarro mata, antes de mais nada, os aromas da comida e bebida.

No Rio de Janeiro a proibição do fumo em restaurantes causa repulsa em muita gente, afinal de contas o fumante é um freqüentador assíduo em qualquer parte do mundo. Quem aprecia beber e comer bem, no entanto, sai ganhando. Os aromas da mesa não se misturam ao do cigarro. Pena que a lei não vigorou no país inteiro.

Eu já estraguei algumas garrafas levando grandes vinhos para o restaurante e sentando perto de um fumante, ou de uma mesa vulcânica. Tem gente que fuma entre os pratos. OK, cada um faz o quiser da vida, o problema é incomodar o próximo.

Eu sempre achei a coisa mais maluca quando era permitido fumar nos aviões. Eu sempre ficava com os olhos e garganta ardendo. Em um restaurante, principalmente à noite, a sensação não é muito diferente.

Bogart e Serge Gainsbourg: poesia do universo do cigarro
Reconheço toda a poesia do universo do cigarro que vai de Humphrey Bogart, Serge Gainsbourg, aos guitarristas de rock e blues que colocam o cigarro no braço do instrumento e tal, mas cigarro e gastronomia não se bicam.

Grandes restaurantes são coniventes com o cigarro, uma pena... E, para mim, sempre um stress do tipo "será que consigo uma mesa bem distante dos fumantes?". Aquela garrafa especial, comprada a peso de ouro, à prestação, não é recomendada de se levar num ambiente com fumaça e cheiros fortes. Eu já vi esse filme de terror.

E perfume?

Aí é dose dupla....